adega

Chile, um país de vinhos e paisagens espetaculares

Publicado em: 21/09/2019

Arthur Azevedo

O Chile é um dos primeiros países a produzir vinhos no chamado Novo Mundo, com as primeiras videiras plantadas em 1548

2011-02-02_1026360   Subscriber-false   Marketing-false   Newsletter-false   RegYSNewsletter-false  MicroTransactions-false

O Chile é o país que detém a maior fatia do mercado de vinhos no Brasil, com cerca de 45% de participação, e com uma grande variedade de uvas e estilos, que há um bom tempo caíram no gosto dos brasileiros.
Some-se a isso o fato do Chile ser uma importante destinação enoturística, com milhares de visitantes provenientes do Brasil a cada ano, uma vez que são inúmeras as atrações além do vinho, tais como estações de esqui, passeios no deserto do Atacama, turismo de vulcões e glaciares no sul do país, além de um extenso litoral de 4.300 km, com um oceano muito frio, o Pacífico, de onde saem alguns dos melhores frutos do mar do planeta.

 

A história da viticultura chilena

Durante o Império Espanhol, soldados e exploradores, conhecidos como conquistadores, foram enviados para a América do Sul em 1534. No ano de 1540, Pedro de Valdivia liderou uma expedição de 150 espanhóis no Chile, derrotando os nativos, os Mapuches e fundando a cidade de Santiago em 1541.
Em 4 de setembro de 1545, Pedro de Valdivia avisou o Imperador da Espanha, Carlos V, que não havia mais vinho para celebrar missas em Santiago. Foi então que, junto com garrafas de vinho, foram enviadas as primeiras vinhas para serem plantadas no país para garantir o permanente suprimento de vinho.
Em 1548, Juan Jufre plantou os primeiros vinhedos em Macul, perto de Santiago, que permanece até os dias atuais como o coração da produção de vinho no Chile.
A primeira variedade trazida para o Chile foi a País – ou Listán Negro, uma uva vinífera das Ilhas Canárias – que recebeu o nome de Mission na Califórnia e Criolla na Argentina.

 

A chegada das uvas francesas

Em 1834, a pedido de Claudio Gay, botânico francês, as autoridades chilenas estabeleceram o “Quinto Normal de Agricultura”, com espécimes que incluíam vinhas da Europa, como Cabernet Sauvignon, Malbec, Chardonnay e Sémillon.
Esse fato foi muito importante porque o Chile se tornou uma reserva técnica destas uvas, o que se revelou muito útil para o replantio das uvas na Europa após serem devastadas pela praga filoxera, que dizimou os vinhedos europeus entre 1860 e 1900.

 

O estabelecimento das vinícolas históricas

Em meados do século 19 várias vinícolas históricas foram fundadas, tais como Concha y Toro, Carmen, Cousino Macul, Errazuriz, San Pedro, Santa Rita e Undurraga. Esse período coincidiu com o aparecimento de pragas como a filoxera e doenças como o míldio na Europa, fato que teve como consequência a vinda de vários enólogos europeus para o Chile em busca de trabalho. Foi também nessa época que os vinhos chilenos começam a ser exportados para a Europa.

 

Joint-Ventures impulsionam a indústria do vinho chileno

Com o aumento de qualidade do vinho produzido no Chile e a rápida expansão da área de vinhedos – aumentou duas vezes entre 1995 e 2002 e o significativo aumento da produção – de 282 milhões de litros em 1991 a 668 milhões de litros em 2003, e inacreditáveis 1 bilhão, 290 milhões de litros em 2018, o vinho chileno passou a ser conhecido e apreciado em todo o mundo
Dentre os múltiplos fatores do enorme sucesso do vinho chileno, é interessante lembrar que o aporte de capital estrangeiro, na forma de joint-ventures de tradicionais e bem sucedidas vinícolas chilenas com famosas vinícolas europeias e norte-americanas, também foi muito importante para o prestígio do vinho chileno no mundo.
Entre as mais conhecidas destacamos a Viña Almaviva – Baron Phillipe de Rothschild, de Bordeaux, leia-se Mouton-Rothschild, e Concha y Toro; e Errazururiz, da família Chadwick e Robert Mondavi, da Califórnia.
Conheça o Chile e desfrute de seus ótimos vinhos, paisagens cinematográficas e frutos do mar inigualáveis, tudo isso em contato com um povo amigo e hospitaleiro.
Arthur Piccolomini de Azevedo é Vice-Presidente da Associação Brasileira de Sommeliers-SP, consultor, palestrante, educador em vinho e editor do website Artwine (www.artwine.com.br)

Comentários

Powered by Facebook Comments