meio ambiente

O aquecimento global está derretendo o Ártico – e nossas vidas

Publicado em: 2/07/2019

Logo Greenpeace

Os ativistas do Greenpeace estão no Polo Norte para mostrar os efeitos das mudanças climáticas, que afetam os oceanos, a vida marinha e a nossa também. Confira o relato do começo de nossa jornada pelos mares do planeta.

bda48057-gp0stt9sx

Mãe morsa e seu filhote são avistados do navio Arctic Sunrise em Svalbard, na Noruega.

Desde abril, o Greenpeace está em uma longa jornada para defender os oceanos. A primeira parada é em Svalbard, no Oceano Ártico. Já encontramos morsas, pegadas de ursos polares e gelo, muito gelo. Boa parte dele derretendo por conta do aquecimento global. Confira a seguir o relato de uma de nossas ativistas que está lá.

 

Destruir os oceanos é destruir meu futuro

 

Um mar azul-turquesa com pedaços de gelo flutuante é o cenário que vejo da minha janela. Mais ao longe, há grandes montanhas que lembram a cobertura de um merengue, com seus picos cobertos de neve. Dia atrás, vi uma morsa que parecia beijar seu filhote. Eles estavam em cima de um bloco de gelo e passaram bem em frente minha janela.

Eu estou a bordo do Arctic Sunrise, o navio do Greenpeace, em algum canto do mar de Barents, em Svalbard, Noruega.

Nem tudo aqui é beleza e calmaria sempre. De vez em quando ouvimos um estrondo, como um trovão. Minutos depois, uma enorme onda atinge o navio indicando que outro pedaço de geleira partiu de um iceberg e se juntou à água do mar.

E a água aqui nunca foi tão quente. Nossos termômetros estavam acima do zero e as temperaturas médias para essa época do ano estão 8 ºC acima do normal. Em Svalbard, os últimos 100 meses tiveram temperaturas acima da média.
O que eu vim fazer aqui? Estou navegando no Ártico em um das expedições mais incríveis – e ambiciosas – que o Greenpeace já fez. Temos um ano para ir do Polo Norte até o Polo Sul. E, durante o percurso, vamos mostrar as principais ameaças que nossos oceanos estão enfrentando, como as mudanças climáticas, a sobrepesca e a perda da biodiversidade, as atividades petrolíferas e a poluição de plástico.

Neste momento, a ONU está discutindo como devemos proteger nossos oceanos e as áreas prioritárias. Segundo os cientistas, a saída é simples: um terço dos oceanos precisa estar protegido até 2030. Se isso não acontecer, os oceanos e a vida marinha que conhecemos e amamos serão destruídos.

Isso também significa que meu futuro será destruído. Metade do oxigênio que eu respiro vem dos mares. Eu morro se eles morrem.

E nós não vamos permitir que isso aconteça.

Criar uma rede de santuários marinhos é eficaz. Deixar o oceano fora do alcance de indústrias destrutivas permitirá que as espécies se recuperem e sobrevivam. É por isso que o Greenpeace está fazendo de tudo para abrir caminho a novos santuários marinhos no mundo.

Para isso, precisamos de você. Sua voz é essencial para chegar aos nossos governantes que estão tomando decisões sobre a vida futura dos oceanos.

Faça parte do nosso abaixo-assinado, proteja os oceanos e fique por dentro da nossa expedição:  https://www.greenpeace.org.br/proteja-os-oceanos?_ga=2.28225781.897289.1559561712-1699630796.1559561712

* Fanny Jönsson é coordenadora de comunicação do Greenpeace Nórdico e está a bordo do Arctic Sunrise, no Oceano Ártico.

Comentários

Powered by Facebook Comments