adega

Maipo Pacífico, um segredo bem guardado do chile

Publicado em: 13/06/2018

Conhecido pela excelência dos vinhos tintos ícones, potentes e encorpados, o Vale do Maipo, região metropolitana de Santiago, guarda segredos muito interessantes

ruta-del-vino-en-valle-del-maipo-santiago-de-chile_2017_201609110817013

Arthur Azevedo

O Chile é um país bastante interessante, com diversos microclimas, fruto de sua privilegiada situação geográfica, tendo a leste a imponente Cordilheira dos Andes e a Oeste o frio Oceano Pacífico, resfriado pela Corrente Marítima de Humboldt, proveniente da Antártida.
Quando a Wines of Chile divulgou há alguns anos o novo mapa vinícola do Chile, delimitando três áreas diferentes, a saber Costa, Entre Cordilheiras e Andes, muitos se perguntaram por que o conceituado Vale do Maipo não tinha área Costa, ou seja, uma área próxima ao Oceano Pacífico, mais fresca e com algo de umidade.
Quando se examina com atenção o mapa do Chile, fica evidente que na área que corresponderia a Maipo Costa está a nova região de San Antonio, e mais ao norte a região de Casablanca, a primeira região de clima frio do país, estabelecida na década de 1980 pelo renomado enólogo Pablo Morandé.
No entanto, os criativos produtores do Maipo logo encontraram uma saída, na verdade uma região de clima muito específico, próxima à foz do Rio Maipo, que percorre a região desde a Cordilheira dos Andes até o Oceano Pacífico.
Nessa área, a Cordilheira da Costa faz uma inflexão para o interior e abre uma janela para a entrada do ar frio do Pacífico, criando uma área de clima único e fresco, muito diferente do restante do Vale do Maipo, que tem clima mais quente e seco. A esta região muito partícula deu-se o nome de Maipo Pacífico, se constituindo numa das mais novas regiões chilenas.
E é exatamente nessa área que está instalada uma das mais interessantes vinícolas do Chile, a Viña Chocalán, que ali se instalou em 2000, cujos vinhos da novíssima linha Koan agora chegam ao Brasil pelas mãos da Viníssimo Importadora.
Koan, na tradição zen, é um problema que o professor coloca ao aluno para verificar seu progresso. Muitas vezes o koan parece um absurdo problema ilógico ou banal. Para resolvê-lo, o discípulo deve se desconectar do pensamento racional comum para entrar em um sentido racional superior e assim aumentar seu nível de consciência para aprofundar e interpretar o que o professor realmente está perguntando a ele.
Com a consultoria da competente enóloga chilena Maria del Pilar González e com a supervisão direta do enólogo Fernando Espina, que comanda a equipe de enólogos da Chocalán, a linha Koan se destaca pela proposta ousada de inovar e surpreender, mas sem se descolar de suas raízes chilenas.
Dentre os vinhos chegados à VIníssimo, que, diga-se de passagem, recebeu a linha Koan completa, destacamos o ótimo Koan Pinot Noir Gran Reserva 2015, rico em aromas de cereja e framboesa, fresco, agradável, muito típico e longo, com bom corpo e delicada estrutura de taninos.
Outros dois vinhos da linha Gran Reserva também nos impressionaram de maneira muito positiva: o ótimo Syrah 2015 – elegante e com aromas de frutas escuras e especiarias, embaladas em notas de fino balsâmico; e o Synergy Blend 2014 – um vinho potente e expressivo, com frutas escuras, chocolate e tostado, muito longo e com um longo caminho a percorrer.
Fechando os destaques, a grande estrela não decepcionou. O Koan Maximum Premium Blend 2013 é uma usina de força, de cor púrpura impenetrável, fresco, equilibrado, com ótima fruta, textura muito fina, longo e muito saboroso. Um grande vinho…

Comentários

Powered by Facebook Comments