viagem

México: milenar, místico, musical e paradisíaco

Publicado em: 9/09/2015

Destacando a grandiosa região da Cidade do México, repleta de diversidade cultural e a parte menos explorada e mais linda da famosa Yucatán.

 

 

 

Por Vanessa Cardarelli

Prepare seus sentidos e seu espírito pois iniciaremos uma viagem num dos países mais cheios de contradição da civilização: extremamente católico e místico, repleto de musicalidade e vocação revolucionária, onde convivem descendentes de culturas nativas milenares e europeus conservadores, mas acima de tudo se desfruta de uma clima caliente e praias paradisíacas.

 

Paseo de la Reforma square in downtown Mexico city

CIDADE DO MÉXICO

Começaremos pela região da capital, a Cidade do México, grande berço da cultura milenar avançada asteca e famosa por seu patrimonio cultural e histórico. Pode lembrar as maiores cidades européias pela sua pujante arquitetônica, gastronomia e cena cultural: ruínas antigas e esculturas pré-históricas mesclam com imponentes torres de vidro e aço e centros comerciais de classe mundial.

A maior parte da cidade está alinhada em duas vias principais que se cruzam: a “Paseo de La Reforma” e a Avenida Insurgentes, que tem 29 quilômetros e é a maior da cidade. Dividida em 16 distritos, a enorme megalópelo tem cerca de 2000 bairros e a maioria dos nomes das ruas remetem a temas como rios, filósofos ou heróis revolucionários. Percorrendo a “Paseo de la Reforma”, considerada uma das avenidas bonitas do mundo, deve-se ir até a Cidadela, onde se se concentra o belo artesanato mexicano: roupas bordadas, artigos de decoração e jóias. Viajar é sentir a arte nativa do País.

Visita obrigatória é o Museu Nacional de Antropologia. Bela arquitetura e riquíssimo acervo, num espaço amplo e muito organizado, possuindo salas separadas para cada cultura: toltecas, mexicas, astecas, maias, e as que homenageiam a época da conquista e revolução. Ali se sente o respeito e orgulho do povo por sua história e seus antepassados.

Anote o melhor roteiro: o Centro Histórico da cidade; as pinturas e esculturas de pedra gastas no Museu do Templo Mayor; o Bosque de Chapultepec; a Catedral Metropolitana e o Museu da amada artista Frida Kahlo, que empolga todos nós com sua história de vida fascinante. Destacamos os painéis gigantescos de Diego Rivera, seu marido.

A Basílica de Nossa Senhora de Guadalupe é referência internacional para os católicos. A história narra a aparição da imagem de N. S. de Guadalupe impressa no avental do mestiço Diego, afim de provar seu encontro com a Santa. Este fato gerou a construção da igreja. Hoje, a nova Basílica tem a capacidade para receber 10.000 pessoas, no seu interior.

A culinária mexicana é internacionalmente conhecida e marcada por sabores fortes e muito chili. A pimenta está realmente presente na comidas, nas bebidas, nas sobremesas e até nas frutas. Experimente a Tequila de Mandarino, é deliciosa. Mas, se prepare pois junto ao sal, na borda da taça, vem uma camada de pimenta em pó.

Para degustar a culinária local de forma mais elaborada recomendamos o restaurante “Villa Maria Polanco”. Em quase todos os restaurantes, há grupos de cantantes ou mariachis, que imprimem alegria contagiante aos ambientes, estimulando todos a cantar.

CIDADE ONDE HOMENS SE TORNAM DEUSES

A cidade de Teotihuacán, próxima da capital, é a memória da civilização asteca, cuja tradução é “cidade onde os homens se tornam deuses”. Acredita-se que ela tenha sido fundada em torno de 100 a.C., e os principais monumentos foram construídos continuamente até cerca de 250 d.C. É uma misteriosa marca dessa gloriosa civilização passada, com uma produção cultural importante nas áreas da filosofia e astronomia. Não deixe de subir no Templo do Sol, o mais alto da cidade, com 225 degraus. Antes, respire fundo e reze para o deus Quetzalcóatl, para chegar ao topo, mas vale apena… eles adoravam sacrifícios! Ainda próximo à Capital conheça Puebla. Tombada pela UNESCO, com seus casarios coloniais pitoresco e muitas igrejas, se destaca pela ornamentação em ouro como a de Santo Domingo. Nas ruas, ficamos surpresos com o fato dos carros pararem para os turistas tirarem fotos.

Tulum - Messico

PENÍNSULA DE YUCATÁN SEM CANCÚN

A Península de Yucatán recebe mais visitantes que qualquer outra parte do México e é mundialmente conhecida principalmente pela sua mais nova cidade: Cancún. Projetada e urbanizada para ser um centro estritamente turístico, sem qualquer história ou cultura. No entanto, fora deste palco de resorts praianos artificiais, Yucatán se mostra uma região muito mais interessante: é o berço da milenar e avançada cultura maia, possui praias desertas paradisíacas, manguezais quase intocados, vilas coloniais pitorescas e um povo hospitaleiro e alegre. E é desta forma que vamos mostrar Yucatan.

Para começar, possui a maior população indígena do país e é um local definido pela cultura e tradição Maia desfilando sua história, gastronomia e seu povo típico, principalmente quando distante de Cancún.

Ao chegar na península já se sente o calor. Enquanto na capital do México estava marcando25 graus, em Campeche a temperatura chegava a 38 graus.

CAMPECHE A CIDADE DOS PIRATAS

Mais ao sul chegamos na península de Yucatán. Começaremos pela cidade de Campeche, situada no estado do mesmo nome que fica numa região mais remota e menos visitada. A cidade encontra-se rodeada por muros seculares que serviram como proteção contra piratas no século 17. A cidade portuária é cheia de edifícios coloridos e belas praças, e entre os destaques, a catedral e o mercado. Ela é simpática, praiana, e é possível encontrar vários artesanatos coloridos: em especial, o mais famoso da região, é o chapéu tipo Panamá.

À noite, depois de uma tequila e deliciosos frutos do mar frescos, assistir um show de danças típicas na praça faz o tempo parar. Os dançarinos usam roupas coloridas, escancaram belos sorrisos e ecoam um som vibrante, exibindo orgulhosos sua cultura. Os bordados coloridos das roupas típicas das mulheres é deslumbrante.

CHICHÉN ITZÁ, PATRIMÔNIO DA UNESCO

Mais de 2000 ruínas maias estão nesta região, algumas restauradas para o turismo. Há ainda os sítios arqueológicos de Uxmal, Kabah, Labna, Sayil, Dzibilchaltun e Chichén Itzá, um Patrimônio Mundial Natural da UNESCO. Consideramos os sítios de Bonampak e Yaxchilan especiais irradiando uma energia especial.

O Império maia começou a se formar 2600 anos a.C., e viveram por 4 mil anos na península de Yucatán, além de outros cinco países ao sul. Ainda existem grupos nativos de descendentes maias vivendo nessas regiões, que trabalham como guias de turismo ou vendendo artesanatos. Na realidade, não se tem muita informação sobre a antiga civilização maia e não se sabe ao certo porque suas cidades imponentes estavam vazias quando as encontraram. Há quem fale que foi por mudanças climáticas, como a falta de água, que os fizeram abandonar seus lares.

Para ir a Yaxchilan, é preciso pegar um barco num trajeto de 45 minutos. Fica quase na fronteira limite com a Guatemala. Seus templos são bastante diferentes: por ficar no meio da mata, quase não tem turistas. Vale a pena o passeio só para meditar.

Já Ulxmal é linda e conservada. A disposição dos edifícios, que datam entre 700 e 1000 DC, revela como esta civilização era organizada e detinha conhecimentos em astronomia. Entre os seus tesouros está a Pirâmide do Adivinho, uma estrutura de quase 40 metros de altura. E, ainda bem, não se pode subir!

TULUN: A MELHOR IMAGEM DO PLANETA

Agora vamos ao relax: Tulun, ao sul de Cancún, repleto de ótimos hotéis boutiques e SPAS em belíssimas praias. A dica é ficar sempre a beira do mar onde o azul turquesa da água destaca o branquíssimo da areia, formando, talvez a melhor imagem do planeta Terra. Tulun é uma das últimas cidades habitadas e construídas pelos Maias. Seu auge foi entre os séculos 13 e 15, conseguindo sobreviver cerca de 70 anos depois que os espanhóis começaram a ocupar o México.

A cidade está perto dos famosos e americanizados parques Xel-Há e X-Caret, e possui surpreendentes Cenotes, lagos de água doce cristalina, formados pela chuva, que fica armazenada, criando piscinas naturais em meio a cavernas. É possível fazer incríveis mergulhos refrescantes neles, admirando uma paisagem natural maravilhosamente exótica.

Muito mais ainda tem em Yucatan a famosa ilha de Cozumel, tradicional reduto de mergulhadores com uma infraestrutura de primeira linha. E em volta da cidade encontram-se as grandes reservas naturais: Sian-Ka’na e Quintana Roo National Park, o verdadeiro paraíso do Caribe Maia para os mais aventureiros.

Comentários

Powered by Facebook Comments