pet

Paz entre os pets

Publicado em: 18/02/2015

Ciúmes entre bichos, convivência entre cães e gatos, ataques, estresses. O que fazer?

 

Por Camila Freitas  Fonte Mariana Taioli  Grupo Cão Cidadão

pet-faz-bem-a-saude2

A tendência do momento, que na verdade já passou de tendência para comportamento pessoal, é da população ter animais de estimação. Seja por espaço pequeno, início de família, morar sozinho ou ainda uma companhia para as crianças. É raro hoje quem não tem nenhum animal. Partindo desse princípio existem as pessoas que tem mais de um animal, e às vezes de diferentes espécies, cães, gatos, peixes e até tartarugas, mas como fazê-los conviverem em harmonia?

Hoje em dia também vem crescendo a ação de adotar um animal de estimação ao invés de compra-lo, mas como introduzir um animal, em um novo lar?

A chegada de um animal de estimação em casa nem sempre é um momento feliz, muitas vezes os animais podem estranhar a casa, as novas pessoas e até os animais que já residiam na residência, até se adaptarem por completo ao novo lar. A adoção de animais adultos normalmente é mais difícil, pois os mesmos já possuem hábitos e costumes diferentes em sua rotina. Existem algumas dicas e orientações que facilitam essa adaptação.

Se o novo animalzinho for filhote, recomenda-se deixá-lo passar as primeiras noites em casa, mesmo que o objetivo seja deixá-lo dormir no quintal, por exemplo. As primeiras noites para o filhote podem ser difíceis e o pet vai precisar de companhia para se acostumar. Após alguns dias de cuidado e atenção, o animal se torna ambientado com o local e com as pessoas, e o próximo passo é colocá-lo no local designado para ele dormir por algumas horas durante o dia. Aconselhamos também a encher o espaço de brinquedos e petiscos para facilitar ainda mais a adaptação. Definido o espaço onde o animal vai ficar, adapte-o para o pet, retire por um tempo objetos que podem ser roídos pelos animais, enrole tapetes para facilitar o treino do xixi no mesmo local, e torne o local neutro para que o cão fique a vontade em seu ‘’espaço’’.

Após o animal já em seu espaço definido, se ele chorar ou latir não vá até ele, só apareça para vê-lo quando o mesmo estiver em silêncio, isso o ensinará a não latir nem chorar para chamar atenção. É importante também estabelecer uma rotina do dia-a-dia do animal, por exemplo: refeição da manhã, passeio, tempo sozinho com brinquedos, refeição da tarde, brincadeiras, hora de dormir. A inclusão da rotina na vida do animal auxilia na adaptação.

É possível cães e gatos viverem em harmonia?

Sim, é possível, embora essa convivência esteja associada a brigas, cães e gatos podem sim viver em perfeita harmonia. Mas é importante saber que essa aproximação deve ser feita de forma gradativa, respeitando o limite do cão, para que o mesmo controle seu instinto predador natural, e também do gato, que pode se sentir ameaçado pelo ‘’inimigo’’.

Durante os exercícios de aproximação, é ideal que o cão esteja dentro da coleira, para possíveis investidas contra o gato serem controladas, e o gato dentro de uma caixa de transporte, para que a fuga não estimule a caça canina.  A distância entre cada um bem como sua aproximação depende da tolerância de cada um e da evolução do treino. De forma gradativa, aproxime os dois e, para concentração e boas associações dê um petisco para cada um. O ideal é que o treino seja frequente, mas a evolução é variável.

Após a primeira fase, o gato é solto, mas o cão continua na coleira, abra a caixa de transporte e deixe o gatinho sair quando quiser, sem pressão. Não deixe o cão fazer nenhuma aproximação brusca com o gato, mesmo que para brincar. Continue com o processo de oferecer petiscos conforme o cão estiver calmo e concentrado em você. Vale lembrar que o gato também deve ser repreendido caso tente arranhar o cão. É muito importante também que o gato tenha um espaço onde se sinta seguro e confortável pois normalmente felinos são mais resistentes a novos membros.

Esses exercícios são importantes para uma relação positiva, no entanto, existem alguns casos que talvez a dupla não possa ficar sem supervisão. Em casas com muitos cães, a adaptação é mais difícil, pois um cachorro pode estimular o instinto caçador do outro.

Convivência harmoniosa entre cães

É comum para donos de dois ou mais cães situações onde um rosna, e até ataca o outro. Muitas pessoas consideram isso como ciúmes ou ‘’prova de amor’’ pelos donos, mas em muitos casos isso se chama possessividade.

O ciúme é um sentimento humano e não existe no mundo animal. O sentimento de posse dos cães ocorre com pessoas, outros cães e até mesmo objetos, como ossos e brinquedos.

Mas como lidar com esse comportamento?

Imagine a cena onde você está com seu cão na sala, e de repente chega o outro cão querendo interagir com vocês. O primeiro cão rosna e tenta mordê-la, neste momento, o primeiro cão precisa perder o que ele mais quer, tire-o do seu colo, coloque-o no chão e foque em outras atividades. Nas próximas vezes, quando notar que o outro cão vai se aproximar, agrade muito o primeiro cão fazendo com que ele perceba que não terá a atenção dividida, mas sim dobrada na presença de outro cão. Isso facilitará a convivência entre eles.

Foto-Texto-1

Como introduzir um novo felino em casa?

Um gato novo, se deixado em um ambiente que não conhece pode desenvolver comportamentos de medo e agressividade, por isso ter trazer um gato novo para é uma tarefa que deve ser feita com muito cuidado. A apresentação do novo felino a sua nova casa requer alguns cuidados e ferramentas como caixa de areia, potes de água e comida, petiscos, caixa de transporte, paciência e dedicação.

O pequeno gatinho deve ser levado para sua nova casa dentro de sua caixa para transporte e é recomendado colocar dentro um paninho com o cheiro da mãe e dos irmãos (no caso de gatos filhotes), pois assim o mesmo se sente mais confortável. Em um ambiente tranquilo, acomode o animal em sua caminha, perto de sua caixa de areia e pote com água. Se tiver outros animais na casa, não deixem que ele se aproxime do novo membro enquanto ocorre sua adaptação.

Deixe o pet neste ambiente o tempo que for necessário, para que o mesmo se acostume, e quando o mesmo estiver brincando, comendo e usando a caixa de areia normalmente, pode introduzi-lo aos outros espaços da casa, e aos outros animais da casa, se tiverem.

Para apresentar o novo gato aos outros animais, é importante seguir as dicas dadas acima em relação a convivência de cães e gatos, a técnica é a mesma, carregar o gato na caixa de transporte para contê-lo, e fazer a apresentação gradualmente.

O novo gato pode demorar a se ambientar pela casa nova, portanto, quando ele já estiver ‘’solto’’ pela casa, mantenha sua caixa de transporte por perto, pois há gatos que a usam como esconderijo quando precisam se afastar. Brinquedos, prateleiras e outros esconderijos podem ajudar na adaptação do felino, pois assim os mesmos se sentem confortáveis para brincar, se esconderem e vigiarem.

Fonte: Grupo Cão Cidadão

Comentários

Powered by Facebook Comments