pet

Chega de latidos!

Publicado em: 6/11/2014

Um comportamento quase humano de fácil solução, mas que exige técnica (enriquecimento ambiental) e empenho do adestrador

 

 

Por Camila Freitas

Latidos de cães sempre foram um incômodo para qualquer vizinhança, mas viemos quebrar alguns dos principais mitos e dúvidas relacionados aos latidos em excesso. Frequentemente os moradores de condomínios de casas sofrem até exaustivamente com os latidos incessantes dos cachorros dos vizinhos. A Residenciais foi buscar informações e tomou conhecimento dos principais motivos e efeitos causados pelos latidos.

Tomamos conhecimento de que grande parte das desavenças entre vizinhos tem como ponto de partida a relação com seus cachorros que latem em excesso. Essas brigas desgastam muito a convivência entre os vizinhos, tornando a relação da ‘’boa vizinhança’’ muito difícil e às vezes até inexistente.

Para os donos de cachorros é importante ressaltar que muitas vezes as atitudes tomadas em relação aos latidos, o pioram. Repreender o cachorro que está latindo com gritos, tapas, e até chutes, podem tornar o cachorro medroso, fazendo-o latir mais.  Ocorre também de cachorros de pequeno porte serem aplaudidos e receberem estímulos positivos quando latem. Tudo isso estimula o cachorro sendo ele de pequeno ou grande porte a latir mais.

Após estudos e pesquisas, percebemos que a relação com os vizinhos é consequência de um problema maior que não é só o latido e excesso, mas o porquê do latido em excesso.

Estudos comprovam que os cães são muito semelhantes aos seres humanos, tendo aumento de ansiedade, inseguranças, medos, a parte psicológica do cão interfere muito em seu comportamento.

Cães que ficam por muito tempo sozinhos se tornam mais medrosos e carentes de atenção, outros podem ter sua ansiedade muito alta, e alguns ainda podem ter medos de diversas coisas, tudo isso pode ser descontado em latidos em excesso.

 

Mas como diminuir os latidos?

Primeiramente, é necessário descobrir o motivo do latido, que como falamos anteriormente, é causado por uma dificuldade de comportamento, que pode ser resultado de uma ansiedade, um medo, e/ou solidão.

São utilizadas táticas como ‘‘enriquecimento ambiental’’ que utiliza técnicas diversas para aconchegar o cão, brinquedos diversos, ossos, passeios e atividades que estimulem o raciocínio do cão.

Cães ansiosos precisam de cuidados especiais, muitas pessoas fazem um passeio longo com seu cão por dia, então indicamos fazer dois passeios mais curtos, estimulando além da parte física do cachorro, a parte mental, ajudando na diminuição da ansiedade.

Outra dica interessante é fazer brincadeiras que estimulem a atividade mental do cão, colocar a porção da ração em uma garrafa PET, por exemplo, fará com que o cachorro se canse mentalmente até conseguir a recompensa que é a comida, fazendo com que ele se distraia e seja bem recompensado.

No momento de latidos frequentes, uma bronca bem aplicada pode ajudar, além de uma recompensa quando os latidos em excesso não ocorrerem.

O necessário é tornar o ambiente do cão o mais familiar e estimulante possível, fazendo com que o mesmo consiga explorar seus instintos (como caça e procura por objetos).

dog

Fontes:

Mariana Santos Taioli – Pedagoga especializada em comportamento animal.

Grupo Cão Cidadão / Alexandre Rossi

 

Enriquecimento Ambiental

A forma de criar um ambiente que garanta o bom comportamento do cão. Técnica de introdução de elementos originais, simples, criativos e de fácil interação na área onde o cão passa seu maior tempo, oferecendo possibilidades para o cão expressar seu comportamento natural e ter oportunidade de escolha. Um ambiente enriquecido torna um lugar menos óbvio, aumentando o desafio e a complexidade. Além disso, cria imprevistos para o dia-a-dia do cão, gerando novos estímulos físicos e mentais.

 

cao_brinquedos

 

Big-Pet-Ball-Goldens

 

SGRD_35_001_no

 

DICAS PARA CUIDAR DO SEU PET

Como melhorar o choro incessante de cachorros filhotes?

Uma boa dica é pegar um pedaço de pano e passar na mãe do filhote, quando for buscá-lo, e toda vez na hora de dormir, colocar o pano cheirando a mãe junto com o filhote, isso faz com que se sintam acolhidos. Vale também colocar uma camiseta, ou peça de roupa com o cheiro do dono, tem a mesmo objetivo. Existem casos em que ligar uma música perto do filhote auxilia também.

Cachorros pequenos latem mais que grandes?

Não, o que ocorre é que cachorros de pequeno porte muitas vezes têm seu latido recompensado por diversos motivos, e isso intensifica a frequência do latido. O cachorro assimila que toda vez que latir será recompensado, é neste momento que as repetições começam. A raça interfere na frequência dos latidos? Não, existem raças que latem menos, mas a proporção quando comparada a outras é mínima, e latidos em excesso não são causados por raças específicas, e sim por comportamentos alterados.

Quais os principais estímulos para os latidos noturnos?

Não existem diferenças entre a frequência de latidos de dia e de noite, o que ocorre é que a noite a maioria da vizinhança quer dormir então fica mais incomodada com os latidos do que durante o dia. Além disso, de dia existem muitos outros barulhos como obras, aviões e trânsitos, que acabam por camuflar os latidos, que ficam evidenciados durante a noite.

Cachorros idosos latem menos?

Não, o que pode acontecer é que um cachorro que teve um problema comportamental (ansiedade, medo e solidão) enquanto filhote e adulto supere esse problema, por isso deixe de latir quando idoso, mas existem também cachorros que continuam com a dificuldade e por isso latem como antes.

Como lidar com rojões e trovões?

Os latidos que ocorrem com esses barulhos são causados por cães com medo, e para isso é necessário um estímulo positivo toda vez que o cão não latir, além de uma atenção especial nestes cães pois os mesmos podem chegar a passar mal tamanho barulho e medo. Neste caso é feito um acompanhamento com o veterinário e também um adestrador, para tentarem diminuir o medo dos cães.

O uso de focinheira auxilia no controle dos latidos?

Não, o uso da focinheira é necessário apenas para cães que estão incluídos na Lei estadual nº 11.531, tais como Mastim Napolitano, Pit Bull, Rottweiller, American StafforshireTerrier e qualquer raça derivada das citadas anteriormente. Seu não uso implica em multa no valor de R$ 200,00.

Cachorro que late, não morde?

Não, cachorro que late, morde sim, essa frase utilizada há anos é mentira, pois o latido indica que algo está errado, e pode desencadear mordidas.

 

Wanna Play?

 

 

 

Comentários

Powered by Facebook Comments