games

O nascer de uma nova geração

Publicado em: 13/02/2014

Por Giovanni Rocha

Lançamentos de novas plataformas da Sony e da Microsoft marcam o início de uma nova era para os videogames

 

Na cidade de Los Angeles nos Estados Unidos é realizada anualmente a E3, considerada uma das principais feiras de games no mundo. Normalmente, as novidades e as estrelas são os jogos, mas na edição do ano passado foram as apresentações das novas gerações dos consoles as verdadeiras atrações. A japonesa Sony apresentou o Playstation 4 e americana Microsoft o Xbox One. Passados seis meses desde a primeira apresentação, em novembro de 2013 ambas as empresas realizaram lançamentos quase simultâneos de suas novas plataformas para games. Nas primeiras 24 horas após o início das vendas, tanto a Sony como a Microsoft anunciaram que já haviam ultrapassado a marca de um milhão de unidades cada, definindo assim um novo recorde para a indústria bilionária dos jogos digitais.

 

Comparações e desafios para as novas plataformas

Mais do que simplesmente jogar videogame, faz parte da diversão comparar o desempenho das máquinas e analisar seus resultados. Se na geração anterior os grandes debates se debruçavam sobre qual seria a plataforma mais eficiente, tanto o Playstation 4 e o Xbox One agora têm como missão chegar a resultados gráficos que atualmente são atingidos exclusivamente em jogos nos Pcs. E nesse quesito já se pode afirmar: ainda há muito que se trabalhar para chegar perto. Se usarmos como exemplo o game Battlefield 4, reconhecido por sua beleza gráfica, comparações realizadas por sites especializados identificaram que o PS4 roda BF4 em uma resolução de 900p enquanto o Xbox One roda em 720p. Uma decepção se comparado ao que Pcs robustos atingem, perto de 1440p. (Pontos p, de forma simplificada, é a quantidade de linhas de pixels que o processador do videogame consegue renderizar em uma fração de segundo e que acabam por determinar a experiência visual ao se jogar um game de ação e que tenha muitos elementos dinâmicos no vídeo).

 

Jogos, jogos e mais jogos… ainda não.

Tanto o PS4 quanto o Xbox One chegaram com uma coleção de jogos razoáveis em seus lançamentos. Séries multiplataformas consagradas como Battlefield, Call of Duty, Assassins Creed, FIFA, entre outros,  já marcam presença no catálogo. Porém, foi com os títulos exclusivos que o Xbox One parece ter se saído melhor na largada. Enquanto a Sony trouxe para o PS4 um único exclusivo, Knack, a Microsoft trouxe um novo capítulo para as séries Dead Rising e Forza, além do novíssimo Ryse – Son of Rome. Os três títulos disponíveis exclusivamente para o Xbox One.

Mesmo com gráficos que demonstram uma melhora considerável em comparação com a geração anterior, com destaque para Ryse – Son of Rome, uma situação parece evidenciar a nova fase dos games e o contexto da nova geração e a internet. Se no lançamento do PS3 e do Xbox 360 não havia internet com qualidade para permitir download de novos conteúdos, os novos consoles chegaram usando, e muito, esse recurso. Mas em vez de novos conteúdos, o que se identificou é que alguns jogos estão ainda recebendo dados de correções. É o caso de Battlefield 4 e Dead Rising, que já receberam ajustes na ordem de dezenas de gibabytes. Isso poderia sugerir que as produtoras precisaram sacrificar um pouco dos títulos para disponibilizá-los aos jogadores na estreia dos novos consoles.

 

Pelo preço, vale a pena?

Nos Estados Unidos, as versões básicas do PS4 e do Xbox One custam US$ 450 e US$ 500 respectivamente. O aparelho da Microsoft é mais caro em razão de incluir o Kinect, equipamento que reconhece os movimentos do usuário e os converte em comandos nos jogos. Já no Brasil, os preços oficiais dos produtos já são bem diferentes em razão de questões que envolvem importação. Nesse quesito, novamente, o Xbox One leva vantagem, lançado ao valor de R$ 2.300. Já o aparelho da Sony desapontou e foi lançado no país pelo preço de R$ 3.999. Não faltaram brincadeiras para ironizar o preço do produto por aqui. Pelo preço de ambos os aparelhos, se nota que definitivamente os videogames hoje são produzidos para adultos ou jovens com um bom poder de compra.

Ryse_Crytek

Comentários

Powered by Facebook Comments