comportamento

Hoje é sexta-feira. Prá quem?

Publicado em: 17/08/2012

Por Isabela Reis Arte Ricardo Lenta

O estresse é a soma de respostas físicas e mentais ocasionadas pelo excesso de trabalho e de cobranças na família, nos relacionamentos entre outros fatores. Esse desconforto é conhecido como o mal do século e resultado da vida tumultuada e do corre-corre do dia a dia que não deixa um tempo para relaxar e descansar. Um ciclo interminável de coisas para fazer acaba escravizando tanto as pessoas que muitas nem conseguem se livrar das tarefas nos dias de folga.

Os finais de semana, que há pouco tempo eram destinados para o descanso e para curtir momentos agradáveis da vida junto com a família e amigos, agora são cheios de atividades e ocupações que deixaram de ser feitas durante a semana. Pais saem às pressas no sábado de manhã para deixar ou buscar filhos e filhas nos parques, nas academias de ginástica, nos campos de futebol e nos cursos de línguas. Também é hora de fazer compras para a casa, de cuidar do carro, e de resolver todos os problemas domésticos que sequer teve tempo de perceber durante a rotina pesada da semana. Pois é, sábado e domingo viraram dias úteis e a casa não é mais aquele lugar maravilhoso onde se pode reconectar e restaurar as energias.

Pode parecer exagero, mas se você prestar atenção, perceberá que este tem sido o seu ritmo há muito tempo. Talvez você até goste e veja nisto uma descontração, mas geralmente situações como estas só contribuem para aumentar o estresse, e este não é o objetivo do seu fim de semana.

É o que ocorre com Eliana Lopes Carlin. Ela é diretora de uma escola pública, e trabalha a semana inteira fora. “Trabalho fora e ainda faço faculdade uma vez na semana. Fica todo o serviço de casa para os finais de semana e mais o meu filho que tenho que cuidar”, reclama. O que ela menos consegue fazer nos finais de semana é descansar. O acúmulo de tarefa gera ainda uma ansiedade maior, já que na segunda-feira tudo começa novamente e a carga de estresse só aumenta tanto para ela quanto para o marido que também ajuda com a casa e o filho.

Segundo Anete Farina, pesquisadora do Departamento de Psicologia Social do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP), o estresse pode ser causado por um estímulo tanto positivo quanto negativo. “Essa situação estímulo provoca no organismo um aumento de tensão por liberar hormônios de adaptação que inundam o organismo e causam reações físicas e psicológicas, colocando o organismo em desequilíbrio”, afirma. Anete explica que em casos extremos o estresse pode apresentar sintomas orgânicos e psicológicos leves até o acometimento de doenças crônicas graves que podem levar ao óbito.

A enfermeira Dayana Rios Oliveira, além de trabalhar durante a semana, faz pós-graduação aos sábados. “A falta de tempo foi um dos pontos que me fez estudar nos finais de semana. Trabalhar o dia todo e ainda ter que enfrentar uma carga horária de aula é bastante complicado”. Ela diz que, devido à vida atribulada, acaba fazendo os trabalhos da pós-graduação durante os dias de folga. “Acabo deixando acumular tudo para os finais de semana, devido à falta de tempo. E às vezes ainda levo coisas do trabalho para fazer em casa”, conta. O resultado desse corre-corre infinito é um cansaço generalizado. “Chega segunda-feira ainda continuo cansada. Sinto dor de cabeça, irritação e ainda um cansaço físico e mental que não consigo controlar”. E ainda completa: “Sei que o fim de semana é para descansar, se desligar do trabalho, mas fica difícil não fazer ou não pensar no que é preciso ser feito”.

Rita Karter, doutora em psicologia e professora da Puc-Campinas, afirma que cada um tem que encontrar a melhor maneira de se programar para se livrar do estresse. “O importante é cada pessoa procurar a forma que mais lhe agrade para distrair, já que cada um gosta de uma coisa diferente. Tem gente que gosta de estar com a família, por exemplo, outros de praticar esportes”.

Segundo ela, o importante é se desligar do trabalho, não importa como. Porém, se a pessoa não consegue mais descansar ou se livrar dos afazeres, Rita atenta que é hora de procurar ajuda profissional. “Quando estes sintomas são excessivos é importante a orientação de um profissional que vai orientar melhor a pessoa em como sair dessa”, explica. E preste atenção nos sintomas que atinge as pessoas de maneiras diferentes: insônia, excesso ou falta de apetite, entre outros.

Algumas dicas simples podem melhorar a sua vida e te ajudar a descansar. A primeira estratégia antiestresse é identificar o que te tira do sério e a partir daí se planejar durante os finais de semana. Dividir as tarefas da casa e o cuidado com os filhos também é uma saída. Aproveite a semana e tente fazer todas as tarefas do trabalho e da casa para ter os finais de semana livres. E seja radical na hora de eliminar todas aquelas obrigações desnecessárias que você costuma resolver nos dias de folga.

Comentários

Powered by Facebook Comments