viagem

No coração de Manhattan

Publicado em: 11/10/2011

Por Pedro Garcia Fotos David Loureiro

Nova York está em constante transformação. E não é preciso dizer que lá é possível encontrar de tudo: uma loja de brinquedos com uma roda-gigante, uma estátua de touro que, dizem, traz boa sorte e um cowboy que toca violão seminu pelas ruas. Nova York é a cidade do contraste que nunca dorme.

A Big Apple ainda é considerada a capital cultural do mundo. Em seu território são falados cerca de 800 diferentes idiomas (a maior diversidade linguística do globo), que se dividem entre cincos distritos auto-administrativos: Manhattan, Brooklyn, Bronx, Queens e Staten Island. Fundada no início do século 17 por colonos holandeses, foi nomeada Nova Amsterdã, em 1626, e tomada pelo Reino da Inglaterra, em 1664, quando ganhou seu atual nome. Após ter sido capital dos Estados Unidos de 1785 até 1790, hoje abriga a sede da Organização das Nações Unidas, a capital financeira do mundo, cujo coração é Wall Street, os mais prestigiados e bem pagos teatros comerciais, na Broadway, além de algumas das melhores universidades do planeta, como a Universidade de Columbia e a Universidade de New York. No centro de tudo isso, está Manhattan, a ilha dos sonhos dos norteamericanos.

Estátua da Liberdade: o cartão postal

O ideal para começar o passeio por Nova York é ir direto para seu cartão postal: a Estátua da Liberdade. Para evitar as longas filas que tomam conta do Battery Park ao longo de todo o dia, chegue cedo e embarque na balsa rumo a Liberty Island logo no primeiro horário, às 9h30 da manhã. Na viagem de ida, aproveite para tirar algumas fotos da costa de Manhattan, que vai diminuindo no horizonte e ficando cada vez mais magnífica à medida que o ferryboat vai se distanciando da cidade e se aproximando da ilha.

Fique o tempo que for necessário em Liberty Island e tire fotografias em quantas poses quiser junto à estátua; as balsas partem de 30 em 30 minutos. Preste atenção na tábua que a estátua está segurando – onde está escrita a data da independência dos Estados Unidos – e nas correntes que jazem aos pés. Esses foram os símbolos que os franceses encontraram para homenagear o centenário da independência americana, em 1886, quando enviaram o presente.

Aproveite, na viagem de volta, para visitar o Museu da Imigração, que faz parte do pacote da estátua, e conhecer um pouco da história da Ellis Island onde os primeiros imigrantes pisaram, quando chegaram da Europa. Olhos atentos podem lembrar do filme “Hitch: Conselheiro Amoroso”, quando o personagem de Will Smith prepara uma surpresa para a personagem de Eva Mendes, levando-a para conhecer o lugar de jet-ski.

Raging Bull: o ícone de Wall Street

De volta a Manhattan, vá até o Bowling Green Park e passe pelo Raging Bull, o touro de bronze, ícone de Wall Street. Diz a sabedoria popular que, ao esfregar a mão no nariz, no chifre e nos testículos do famoso monumento de três toneladas, a pessoa é agraciada com boa sorte.

Passeie pelo Distrito Financeiro de Nova York e maravilhe-se com os sóbrios e grandiosos prédios de pedra de Wall Street, que em alguns locais deixam a rua tão estreitas a ponto de não permitir a luz do sol entrar, formando verdadeiras paredes rochosas artificiais. Certifique-se de passar pelo deslumbrante prédio da Bolsa de Valores.

Memorial 11 de Setembro: a inesquecível lembrança

Depois, siga para o Memorial 11 de Setembro. Entre nesse local amplamente arborizado, fugindo um pouco da selva de pedra de Big Apple, e aprecie os dois espelhos d’água de aproximadamente mil metros quadrados, construídos exatamente onde ficavam as torres gêmeas antes do atentado. Ao som das cachoeiras, que ficam no centro de cada uma das duas obras, veja os painéis de bronze em que foram gravados os nomes das vítimas do atentado terrorista. É importante ficar atento para reservar o ingresso com antecedência. As entradas não são vendidas na hora.

Píer 17: varejo e turismo

Se a fome aparecer, uma visita ao Píer 17, em South Street Seaport, é imprescindível. Esse local encantador, onde várias embarcações antigas estão atracadas, é uma mistura de varejo e turismo, que procura reconstruir a arquitetura portuária do século 19. Escolha um entre os diversos restaurantes do shopping, localizado dentro do píer, e saboreie sua refeição no agradável clima do cais, apreciando uma belíssima vista, composta pelo East River, a ponte de Brooklyn e os arranha-céus de Downtown. Uma boa pedida para o almoço é o Johnny Rockets, que prepara um delicioso hamburguer bem ao estilo americano, com bastante carne, queijo e bacon.

Museus e musicais da Boradway

Antes de ir para Midtown, aproveite para dar uma volta pelo South Street Seaport e visitar os museus da região, apreciando alguns dos mais antigos prédios de Manhattan.

Se estiver planejando ir a um musical da Broadway, não deixe de passar no guichê da TKTS do local e comprar sua entrada. Como nem todos os musicais têm lotação total, os teatros da Broadway têm a opção de liberar os ingressos excedentes para TKTS, que os vendem com até 50% de desconto. A grande dica aqui é que, enquanto o guichê da Time Square costuma ter filas quilométricas que tomam até mais de uma hora do dia, o guichê de South Street Seaport está quase sempre vazio (é lá onde os novaiorquinos garantem sua entrada).

Times Square: a vida passa em um segundo

Chegando em Midtown é possível passar o dia inteiro na Times Square. Comece fazendo uma viagem de volta à infância na Toy R Us. Maravilhe-se com a roda-gigante, o monstruoso tiranossauro ou a casa da Barbie, que ficam dentro da loja, e relembre dos velhos tempos do lego ou dos jogos de tabuleiro. Para os amantes do chocolate, uma parada obrigatória é o M&M’s World, uma loja de três pisos, exclusivamente dedicada a este doce. Entre os imensos tubos lotados de M&M’s monte sua própria seleção das pastilhas de chocolate, escolhendo entre diferentes cores, formatos, tamanhos e sabores. Os viciados devem tomar cuidado, pois os preços por uma pequena quantidade costumam ser bem salgados.

Não deixe de visitar o museu de cera da Madame Tussauds onde estão às réplicas em cera de diversos artistas de Hollywood, estrelas do esporte e grandes nomes da música. Atenção especial para os dois brasileiros que se encontram lá: Pelé e Ayrton Senna. Se quiser fazer compras, também está no lugar certo. A parada essencial para encher as sacolinhas de presentes é a Macy’s, a gigantesca loja de departamento de nove andares, que figura entre as maiores do mundo. Aproveite também para percorrer as vitrines da Quinta Avenida e se deliciar com as mais diversas grifes, nessa rua que simboliza toda riqueza de Nova York.

No cair da noite, perca um tempo somente para apreciar o espetáculo de luzes da Times Square. Ande pelo quarteirão mais famoso da cidade – onde letreiros luminosos são obrigatórios – e passeie pelo Theatre Disctrict, para conhecer os teatros da Broadway. O brilho das luzes é tão intenso, que ao sair de algum estabelecimento e dar de cara com a cidade toda iluminada, a impressão é de que o dia está amanhecendo.

Uma boa pedida para o jantar é o Hard Rock Cafe. Compre algum artigo Hard Rock na loja de conveniência ou aprecie peças raras de lendas rock, como John Lennon, Kurt Cobain ou Elvis Presley, enquanto espera pela mesa no mais tradicional restaurante do rock.

Depois, as opções são inúmeras. A noite é uma criança em Big Apple! Pode-se escolher entre assistir um show em uma das casas noturnas da cidade, beber com os amigos em algum bar ou ir a alguma das diversas opções de baladas. No último caso, lembre-se de vestir roupa social – sapato e camisa são trajes obrigatórios para os homens e vestido e salto alto para as mulheres. Dessa forma, não tem como não sentir todas as intensas emoções do coração de Nova York.

Comentários

Powered by Facebook Comments